Política

19/12/2017 06:01 Eliza Gund/FlorestaNet

Vereadora Elisa Gomes diz que 2017 foi um ano difícil e de aprendizados

Seguindo em seu 3º mandato a vereadora pelo PDT, Elisa Gomes Machado, esteve no programa Atualidades da Rádio Bambina FM fazendo um balanço do ano de 2017. Respondendo e esclarecendo alguns questionamentos feitos em torno do Poder Legislativo de Alta Floresta.

“Foi um ano de muito trabalho, muito difícil, mas também a gente aprende muita coisa, foi um ano de grandes aprendizados na minha vida”, destacou Elisa lembrando que na vida pessoal foi um ano de percas significativas, com as mortes do esposo, Agostinho Bizinotto, e do irmão mais velho.

Oposição

Apontada como vereadora de oposição, a vereadora frisa que pode contar os projetos que votou contra, com a apresentação de vários projetos do Executivo e também Legislativo, Elisa afirma que sempre houveram respaldo para suas ações contrárias. “Por exemplo eu destaco o Código Tributário, que nós votamos contra, que eles insistiam em passar em regime de urgência, então acho que é uma coisa extremamente complexa e que precisa ser muito bem discutida com a população, então esse foi um dos projetos que nós votamos contra”.

Elisa destaque que todos os projetos com votos contrários foram feitas observações e sugeridas emendas para melhorar, principalmente os projetos que precisam ter uma discussão muito maior que não são aprovados.

Sobre a função de vereador, Elisa afirma que cada vereador foi eleito para fiscalizar o Poder Púbico, não para ser contra. “Muitas vezes isso não é entendido, a base não quer entender que é um trabalho necessário do vereador, o vereador não está ali pra dizer que sou contra, não, todos os projetos e todas as vezes que nós questionamos algum tipo de projeto, é com a intenção de melhorar para o município, e a gente acaba ajudando imensamente o prefeito com essa questão das buscas”.

Base

A câmara tem atualmente 13 vereadores, maioria da base, sobre isso Elisa aponta que não adianta mostrar que um projeto não pode ser votado, que precisa ser discutido, que ele vai ser aprovado. “A preocupação maior é buscar condição pra população de Alta Floresta ser melhor assistida em todos os aspectos, saúde, infraestrutura, educação, enfim, essa não é nenhuma vantagem, dizer que a vereadora briga por isso, é uma obrigação nossa, de fiscalizar, de ajudar inclusive a mostrar caminhos, mas muitas vezes, infelizmente, não tem essa aceitação”.

Planejamento

Entendendo a falta de pontualidade de alguns repasses, Elisa diz que Alta floresta merecia mais, e faz duros questionamentos, os principais são o planejamento, sabendo que a demanda é grande e os recursos não suficientes, “mas muito bem administrado é possível não deixar faltar o básico”, frisou exemplificando a coleta do lixo que atualmente não está sendo feita como deve por falta de condições, “se tivesse planejamento e usasse o dinheiro da taxa de coleta do lixo, uma parte destinada a adquirir um caminhão a cada dois anos. Esse ano quando peguei os valores, nós tínhamos recebidos, o município, mais de um milhão de taxa de coleta do lixo, se esse recurso comprasse um caminhão por ano, um caminhão nós colocamos o valor de 300 mil pra comprar um caminhão em boas condições, sobraria ainda. Então é esse planejamento que eu tenho cobrado muito do executivo, e esse é só um exemplo”. Elisa ainda destaca os gastos com locação de ônibus para a saúde. A prefeitura gasta R$ 40 mil/mês com locação, no final do ano vão ser R$ 480mil, gastos com a locação, economizando com cerca de R$ 250 mil compra-se um ônibus.

Orçamento 2018

Recentemente a vereadora sugeriu uma emenda que foi aprovada sobre repasses de IPVA, “O que retorna para Alta Floresta, são mais de 05 milhões, então se eu tiro ali o que é da saúde, e o que é da educação, o restante que sobrar do IPVA, que seja passado 5% para o trânsito, aí vamos ter sinalização, vai ajudar, a gente precisa no ano que vem cobrar”. O orçamento aprovado em 2018 para o município tem orçamento de mais de R$ 140 milhões. “Se o que está em cada pasta, for bem trabalhado, bem organizado, eu penso que o básico nós vamos ter para atender”.

Secretários

“Os secretários têm que cuidar de suas pastas precisam estar atentos no seu orçamento e planejar”, apontou Elisa dando as notas 07 para educação, justificando ter sido um ano difícil e ser primeira experiência da secretária. Para a saúde deu nota 05. “Essa questão de dar notas é muito difícil, então pelas dificuldades que nós temos de conseguir documentos para fiscalizar, porque não é fácil, mas esse ano eu penso e cobrei o ano inteiro a questão do planejamento”.

Governo do Estado.

Sendo do PDT, partido que elegeu Pedro Taques, Elisa diz que o Governo do Estado deixou muito a desejar. “Para a nossa região norte aqui, vamos falar de nós, eu acho que ficou muito a desejar realmente. E de uma forma muito pontual, que eu quero deixar aqui, é na área da saúde, nós sabemos, é uma luta antiga para a questão do Hospital Regional de Alta Floresta, a questão da implantação dos leitos de UTI então para a saúde, o Governo do Estado deixou a desejar muito”, apontou Elisa estendendo o descontentamento, “e eu preciso também deixar aqui, que os deputados que nós elegemos, é preciso fazer o trabalho lá dentro para que a nossa região seja atendida, a questão da representatividade e para isso. Então os nossos deputados, acho que eles não estão fazendo o papel de nos representar junto ao Governo do Estado”, concluiu frisando que os principais pontos esquecidos na região são a saúde e infraestrutura.

Usinas

Resquícios negativos dos empreendimentos hidrelétricos na região ainda são sentidos, principalmente pelo impacto sócio econômico registrado desde o início das construções de barragens, Elisa frisa que sempre brigou para obras que compensação ficassem aqui “Agora nós aprovamos um acordo entre Juara e Alta Floresta com a questão do complexo da usina do Apiacás, pra questão do ISSQN, imposto, e que Alta Floresta deverá receber aí mais que 05 milhões ou mais, estão ainda brigando por isso”.

Descontentamento x Redes Sociais

“Se não está bom, eu vou lá cobrar os meus direitos, eu vou lá indignar, e indignar não pode ser só nas Redes Sociais, indignar nas Redes Sociais é muito cômodo, as vezes você precisa ir lá e dizer, ‘estou aqui por isso, não estou contente’, mas eu entendo a população por estar decepcionada com a questão política do país, eu entendo isso. Mas gostaria de pedir, ‘vamos cobrar, vamos apontar caminhos e estar bem atentos’, porque senão nós não vamos conseguir mudar este cenário. E nós só vamos conseguir mudar a partir do momento que acreditar em uma mudança e seguir junto com ela”, concluiu Elisa Gomes Machado, vereadora de Alta Floresta.

A entrevista foi cedida à Rádio nesta segunda-feira, 18.


O site Florestanet, foi o primeiro site de notícias de Alta Floresta, teve a sua operação iniciada em 1999, sendo um dos pioneiros no jornalismo on-line.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo